Espaço

Informações

Acerola

Nome científico : Malpighia glabra L.

 

Originária do mar da Antilhas, América Central, a acerola (ou cereja-das-antilhas) é um arbusto que atinge entre 2m e 3m de altura, que apresenta copa densa. A aceroleira é uma planta de clima tropical, que se adapta bem em regiões de clima subtropical. Temperaturas entre 15ºC e 32ºC, com médias anuais em torno de 26ºC, são as mais favoráveis. Para que a mesma cresça e produza bem, também é fundamental uma adequada disponibilidade de água no solo. Precipitações entre 1200mm e 2000mm, bem distribuídas ao longo do ano, são consideradas ideais. Além disso, a planta é exigente quanto à insolação, que influencia bastante a produção de vitamina C.

As folhas são verde-escuras, brilhantes, pequenas, ovaladas, de 2 a 7,5 centímetros de comprimento por 1 a 6 centímetros de largura.

Flores pequenas violáceas ou rosas, com cinco pétalas. Tem floração durante todo o ano, e após três ou quatro semanas se dá sua frutificação.

A fruta tem uma coloração verde quando em desenvolvimento, passando ao amarelo e finalmente ao vermelho escuro quando maduro, levando aproximadamente 22 dias desde a floração até a maturação. O fruto, pequeno arredondado, quase esférico, apresenta cor forte quando maduro, variando entre os tons alaranjados e púrpura, com um perfume semelhante ao da maçã, com sabor ácido, polpa macia e cheia de suco, envolvendo poucas sementes. Possui vitaminas A, B1 (tiamina), B2 (riboflavina), B3 (niacina), cálcio, fósforo, ferro e principalmente vitamina C, que em algumas variedades, chega a ser de até 5 000 miligramas por 100 gramas de polpa. A fruta é uma das mais ricas em vitamina C, superando em 25 a 100 vezes a quantidade contida na laranja, em uma mesma quantidade de polpa, chegando a ter de 1 a 2 g de ácido ascórbico por 100 g de suco. Este valor chega a ser oitenta vezes superior ao do limão.

É extremamente frágil, permanece no pé por apenas dois dias após chegar à maturação. Os frutos conservam-se apenas 3 dias após a colheita, daí a dificuldade da sua comercialização ao natural. A acerola pode ser utilizada na forma de refresco, suco, xarope, sorvete, balas, cápsulas de vitamina C pura, creme gelado, geléia, compota, bala, néctar e conserva.

Fructificação durante todo o ano, de setembro a março principalmente; colheita manual diária ou em dias alternados. A frutificação se inicia, em média, a partir de dois a três anos de plantio, podendo uma aceroleira produzir de 20 à 30 quilos de frutos por ano.

O Brasil é o maior produtor, consumidor e exportador mundial da acerola. Atualmente a região nordeste do Brasil é a maior produtora de acerolas do país.

O interesse pela acerola teve início nos anos 40, quando descobriu-se suas propriedades medicinais, principalmente o alto teor de vitamina C, o ácido ascórbico. A partir daí ela foi empregada no tratamento da gripe, afecções pulmonares, controle de hemorragias nasais e gengivais, auxiliando também no tratamento de doenças do fígado, aliviar dores musculares e nas articulações, é bom para a irritabilidade, fadiga, perda de apetite, cicatrizante…
De modo geral, fortalece o organismo como um todo e é eficiente no tratamento de anemia. É indicado na dieta de lactantes e gestantes, crianças e adolescentes , desnutridos e convalescentes físicos.
A descoberta das potencialidades medicinais da polpa da fruta mostrou que concentra aproximadamente 100 vezes mais vitamina C do que a laranja e o limão, 20 vezes mais que a goiaba e 10 vezes mais que o caju e a amora.
Além de ajudar na formação óssea do adolescente, é eficaz contra arteriosclerosa, artrite e infecções na garganta, pois contém, cálcio, carboidrato, fósforo, ferro e vitaminas A, B, C.
Aumenta a eficiência física; Acelera a cicatrização depois de cirurgias; Combate infecções, resfriados e reduz ataques cardíacos; Aumenta a resistência imunológica e favorece a melhoria da elasticidade da pele, prevenindo o aparecimento de rugas; Evita a irritabilidade, a fadiga, a perda de apetite; Diminui as dores musculares e articulares…

Anúncios

30/01/2011 Posted by | Frutas | Deixe um comentário

Açaí

Nome científico : Euterpe olearacea Mart.

Pequeno, redondo e de cor azul-noite, quase negro, o açaí pode ser considerado a pérola da Amazônia.

O açaizeiro faz parte da família das palmáceas. Esta palmeira brasileira é uma planta que se desenvolve próxima aos ribeirões, rios, igapó, várzea e nas matas de terra firme, e com menos freqüência, em terrenos mais afastados e locais pantanosos. Ocorre predominantemente na região Norte, principalmente nos estados do Pará, Amapá, Maranhão e Tocantins. Palmeira delgada e alta que pode atingir uma altura de 20 a 25 metros. O açaizeiro apresenta farta perfilhação e alcança, no estado nativo, a 20 palmeiras por “touceira” (das quais pelo menos três em produção). Produz, cada uma, entre 6 e 8 cachos com 2,5 kg cada um, representando de 15 a 20 quilos de frutos por palmeira (em duas safras) e de 12 a 25 toneladas de frutos/ha/ano. Os troncos são lisos, roliços, longos, de cor clara, sem espinhos.

A palmeira do açaí apresenta folhas grandes, compridas e recortadas em tiras, de cor verde-escura, atingindo até 2 metros de comprimento. As folhas são usadas na cobertura das casas.
Cachos de flores miúdas amarelas, surgem predominantemente de setembro a janeiro, podendo aparecer quase o ano todo.
Frutos pequeninos, redondos, roxos, quase pretos agrupados em cachos pendentes. Tem um caroço grande, e muito pouca polpa.
O fruto é colhido subindo-se na palmeira com o auxílio de um trançado de folha amarrado aos pés – a peconha.
Fructificação de outubro a janeiro.

O açaí tem um antioxidante excelente para a saúde. A polpa do açaí contém alto teor energético, e a divulgação de suas propriedades nutritivas possibilitou a abertura de novos mercados de consumo em outras regiões do país, tornando-se uma nova e ecologicamente correta, fonte de renda para as populações nativas. O cultivo e manejo do açaizeiro é ecologicamente adequado para as condições de solo úmido das várzeas do Estuário Amazônico. A palmeira pode ser utilizada para a extração do palmito (a partir da estipe), e produção de frutos, utilizados na fabricação do “vinho do açaí”, que é um dos principais alimentos das populações ribeirinhas.
Dos frutos maduros, é extraída a polpa que é consumida na forma de sucos, creme, licor, geléia, mingau, sorvetes e doces.

Estudos revelam que a polpa de Açaí da Amazônia contém:

– Uma formidável concentração de antioxidantes que ajudam a combater o envelhecimento prematuro, contendo um volume 10-30 vezes maior de antocianinas (antioxidantes roxos) se comparado ao vinho tinto.
– A antocianina é conhecida por suas potentes propriedades terapêuticas entre os quais inclui-se o tratamento de retinopatia diabética e de doença fibrocística da mama em seres humanos. Entre os potenciais efeitos fisiológicos das antocianinas incluem-se agentes radioprotetores, químioprotetores, vasoprotetores e antiinflamatórios.
– A principal antocianina no Açaí é a cianidina-3 glucosídeo. A cianidina-3 – glucosídeo é comprovadamente 3.5 vezes mais forte do que Trolox (análogo da vitamina E).
– Uma sinergia de gorduras monoinsaturadas (saudáveis), fibras alimentares e fitoesteróis, que contribuem para o sistema cardiovascular e a saúde do trato digestivo.
– Um complexo essencial quase perfeito de aminoácidos juntamente com valiosas substâncias minerais, vitais à adequada contração e regeneração musculares.
– Fitoesteróis valiosos. Os Esteróies são componentes de membranas de células vegetais que oferecem inúmeros benefícios ao organismo humano, entre eles, a redução da colesterolemia.
– Os esteróis vem atualmente sendo usados no tratamento de sintomas associados à hiperplasia benigna da próstata. Provas preliminares sugerem que beta-sitosterol (o esterol predominante no Açaí) possa ajudar na prevenção da fraqueza imunológica resultante de grave estresse físico. Boa fonte de fibras, o açaí contém 2.0 gramas de fibra alimentar em uma porção.
– As fibras promovem um sistema digestivo saudável. Acredita-se que o baixo teor de fibras na dieta americana seja fator que contribui para a alta incidência de câncer e de doenças cardíacas. Fibras solúveis podem ajudar a reduzir o colesterol sangüíneo; e acredita-se que fibras insolúveis possam ajudar a reduzir o risco de desenvolvimento de certos tipos de câncer. – 60% Oléico (Ômega 9), ácido graxo monoinsaturado essencial, que auxilia na redução dos níveis do LDL (colesterol ruim) enquanto mantém os do HDL (colesterol bom). 12% Linoléico (Ômega 6), ácido graxo poliinsaturado essencial, que comprovadamente reduz os níveis tanto do LDL quanto do HDL.
– Ácidos graxos ajudam no transporte e absorção de vitaminas lipossolúveis, i.e., Vitaminas A, E, D, e K . A taxa de ácido graxo do Açaí assemelha-se à do azeite de oliva, a qual se acredita seja um fator que contribui para a baixa incidência de doença coronariana nas populações mediterrâneas.

O principal produto oriundo do fruto é uma bebida de consistência pastosa, denominada açaí. A consistência pastosa da bebida é devido aos elevados teores de amido (9,30%) e pectina (0,67%) encontrados na parte comestível do fruto. São necessários de 2,5 quilos de frutos maduros para a produção de um litro de suco de açaí.
Bebida extraída do pequeno fruto do açaizeiro que produz cachos com dezenas de caroços (frutos) redondinhos. De cor arroxeada, a bebida é assim extraída : colocam-se os caroços do açaí de molho na água para amolecer a casca fina que os reveste. Em seguida os caroços são amassados com água em alguidar de barro ou máquina própria, coando-se então a mistura em peneiras especiais para que se obtenha um líquido roxo, espesso e de sabor característico incomparável. Toma-se gelado com açúcar, farinha de tapioca ou farinha-d’água. Há quem o aprecie sem açúcar. É nutritivo e refrescante. É também delicioso no preparo de sorvetes, licores, mousses, etc.

09/01/2011 Posted by | Frutas | Deixe um comentário

Abiu

Nome científico : Pouteria caimito

Abiú vem do tupi-guarani e significa Fruta com ponta. Fruto típico da região amazônica. Cresce espontaneamente na Amazônia, adaptando -se para cultivo nas regiões litorâneas do Oiapoque (AP) até Santos. Cultivada em quase todo o país, prefere solos profundos e humosos. Multiplica-se por sementes, produzindo 200 frutos por árvore, podendo atingir até 1.000 frutos.
Árvore frequentemente com até 10 metros de altura, tronco de casca áspera, copa densa e esgalhada.
Folhas lisas e brilhantes.
As flores são pequeninas, brancas com pétalas amarelo-avermelhadas e aparecem diretamente do tronco, nos ramos desnudados abaixo das folhas.
A forma da fruta difere bastante de uma variedade para outra, podendo ocorrer frutos inteiramente redondos, ovais e mesmo alongados, globoloso todos eles do tamanho aproximado de um ovo grande de galinha ou de pata. Sua superfície é lisa e contém uma polpa gelatinosa, branca ou amarelada, às vezes adocicada, às vezes sem sabor e, às vezes, para o prazer de muitos, dulcíssima. A polpa branca é mucilaginosa e muito doce, e envolve uma a quatro sementes lisas e pretas. Pode ser consumida ao natural ou como geléia.
Como fruta fresca, deve ser consumida exclusivamente quando estiver bem madura e amarela, pois, do contrário, sua casca libera um leite branco e viscoso que adere aos lábios, provocando uma sensação bastante desagradável. Por outro lado, esse mesmo látex e um outro – que sai da casca da árvore -são utilizados na produção de cola e de remédios caseiros.
A fruta é aproveitada quase sempre in natura podendo, porém, ser conservada até uma semana, quando refrigerada, ou então, processada como geléia.
Frutificação de janeiro a março.

28/12/2010 Posted by | Espaço, Frutas | Deixe um comentário

Abacaxi

Nome científico : Ananas comosus Merril

 

O abacaxizeiro é uma planta tropical originária de regiões de clima quente e seco ou com chuvas irregulares. Até poucos anos, era cultivado em áreas virgens, recém-desmatadas, e por isso considerado rústico, pouco exigente de tratos.
Herbácea geralmente com 80 cm de altura.
Flores pequenas, de coloração rósea.
As folhas são longas, estreitas, duras e com ou sem espinho segundo as variedades
Fructificação durante todo o ano.

De alto valor dietético, a polpa do abacaxi é energética ( 150 cal. por copo de suco); contém boas quantidades das vitaminas A, B1 e C, e, ainda, a bromelina que favorece a digestão.

Cada planta, produz um fruto e uma única vez. Sobrevive por vários anos através da formação de brotações laterais (rebentões)
O abacaxi é consumido principalmente ao natural como fruta fresca, refrescos, sucos e sorvetes ou industrializados no preparo de geléias, sucos concentrados, compotas, licor e vinagre.
Para se escolher um bom abacaxí, não se pode considerar apenas sua cor, que varia muito dependendo da qualidade. O melhor e mais simples é verificar as folhas da coroa: o abacaxí está no ponto quando elas se soltam com facilidade. Também é possível perceber o ponto pressionando-se com os dedos: se ele estiver muito duro, ainda está verde. Quando o abacaxí está maduro demais, sua casca tem manchas escuras e partes amolecidas próximas à base, sendo menos ácidos os que possuem espinhos nas folhas da coroa.
Após a compra mantenha o abacaxi em local fresco e arejado, se for consumir em 1 ou 2 dias. Caso contrário é recomendado estocar na geladeira, entre 7 e 10°C, junto com frutas compatíveis como, laranjas, limas ácidas, goiabas e melão.

Os índios costumavam pendurar folhas de abacaxí, ou mesmo o fruto, na porta das cabanas para indicar que as visitas eram bem-vindas.
A expressão “abacaxí”, usada para designar um problema ou uma encrenca, vem da dificuldade que se tem de se descascar bem o fruto.

O abacaxi, “Rei dos frutos”, não é uma fruta energética, com o nível de caloria equivalente às maçãs ou pêras, mas contém altas percentagens de vitaminas A, B e C, carboidratos, sais minerais e fibras. Apresenta uma propriedade ímpar, somente presente na papaia, que são enzimas que facilitam a digestão de carnes ingeridas ao curso da mesma refeição.

Coquetel de Abacaxi

Ingredientes:
¼ de abacaxi
½ xícara (chá) de vinho branco, seco
1 garrafa de champagne

Modo de Preparo:
1. Descasque o abacaxi e corte o pedaço pedido na receita.
2. Coloque os pedaços de abacaxi e o vinho branco no liquidificador. Bata por alguns instantes até obter um líquido homogêneo e espumante.
3. Retire o líquido do liquidificador e passe por uma peneira.
4. Coloque o líquido peneirado num recipiente e leve ao congelador para gelar bem. Deixe esfriar por no mínimo 1 hora. Coloque a garrafa de champagne para gelar na geladeira.
5. Retire o preparado do freezer e mexa com uma colher.
6. Coloque o preparado de abacaxi até a altura de 1/3 das taças. Complete os copos com a champagne.
7. Sirva a seguir.

24/12/2010 Posted by | Espaço, Frutas | Deixe um comentário

   

%d blogueiros gostam disto: